Próstata – O que é? Qual a sua função

A ultrassonografia da próstata é um exame de imagem útil para se avaliar o tamanho da mesma e a presença de nódulos suspeitos. Quando o ultrassom é feito pela via retal, a eficácia do exame é muito maior, sendo esta a forma ideal de se realizar uma ultrassonografia prostática.

A idade média do diagnóstico é 66 anos.

Por dentro da próstata passa a uretra, canal que drena a urina da bexiga em direção ao pênis. Também por dentro passam os vasos deferentes, que são os canais que trazem os espermatozoides produzidos pelos testículos. Os vasos deferentes desembocam na uretra no interior da próstata.

A ignorância sobre esta glândula, principalmente por parte dos homens, preocupa os especialistas. Cerca de um em cada sete homens será diagnosticado com câncer de próstata ao longo da vida, segunda a Sociedade Americana do Câncer.

O câncer da próstata é um tumor que costuma ser indolente, crescendo lentamente, podendo permanecer assintomático por vários anos.

A próstata, apesar de ser um órgão importante, cuja principal função é a proteção dos espermatozoides no líquido ejaculado, não é essencial para a vida. Pacientes com doenças graves, como o câncer da próstata, podem ter essa glândula retirada cirurgicamente, sem que isso necessariamente acarrete maiores transtornos.

A próstata é uma glândula do tamanho de uma noz, que está situada logo abaixo da bexiga e é atravessada pelo canal uretral. Devido a esta relação, patologias que acometem a próstata podem levar a manifestações urinárias e problemas de micção. A próstata tem uma importante função na fase reprodutiva. Nesse período, ela produz parte do líquido seminal que serve para nutrir e transportar os espermatozoides provenientes dos testículos.

Outro exame simples é a dosagem sanguínea do PSA, uma enzima produzida pela próstata, que costuma estar aumentada nas doenças, principalmente no câncer e na prostatite.

O câncer de próstata ocorre principalmente entre homens de idade avançada.

  • células secretoras, que produzem as enzimas (fosfatase ácida e PSA) e as secreções
  • prostáticas;
  • células basais, que são precursoras das células secretoras;
  • células neuroendócrinas, que produzem substâncias como serotonina, hormônio
  • tireotrófico e calcitonina;
  • células transicionais.

A zona periférica é encontrada nas regiões lateral e posterior da próstata, representa 75% do tecido glandular e é onde se originam 70% dos tumores da glândula. A zona transicional representa 5% do tecido glandular, situa-se ao redor da uretra e é onde se originam os focos de hiperplasia benigna. A zona central envolve os ductos ejaculatórios, representa 20% da glândula e raramente é foco de tumor. O estroma fibromuscular forma a parede anterior da próstata e não apresenta estruturas glandulares.

A próstata é uma glândula, do tamanho de uma noz, que está situada logo abaixo da bexiga e é atravessada pelo canal uretral. Devido a esta relação, patologias que acometem a próstata podem levar a manifestações urinárias e problemas de micção. A próstata tem uma importante função na fase reprodutiva. Nesse período, ela produz parte do líquido seminal que serve para nutrir e transportar os espermatozóides provenientes dos testículos.

Com base em diferenç as morfológicas, funcionais e clínicas, a próstata é dividida em quatro regiões:

Do ponto de vista histológico, a próstata apresenta dois componentes: o epitélio glandular e o
estroma fibromuscular.
O epitélio glandular representa 70% da próstata e apresenta 4 tipos de células:

O desenvolvimento da próstata inicia-se no período fetal e, após um período de latência, ela volta a crescer após a puberdade. Em ambas as épocas a testosterona estimula esse crescimento. Na idade adulta, quando se instala um processo de hiperplasia, ocorre influência da testosterona e de fatores de crescimento como o fator de rescimento epide´rmico (epidermal growth factor – EGF), o fator de crescimento transformador (transforming growth factor – TGF), o fator de crescimento semelhante à insulina (insulin-like growth factor – IGFI e IGFII) e o fator de crescimento fibroblástico (fibroblastic growth factor – FGF). Estudos em animais sugerem também um efeito estimulador do estrógeno sobre o crescimento prostático.

A testosterona, após se difundir para o interior das células prostáticas, é transformada em diidrotestosterona (DHT) por ação da enzima 5 a-redutase, localizada na membrana nuclear. A DHT se liga a receptores androgê nicos presentes no núcleo e esse complexo tem a capacidade de se ligar à cadeia de DNA, influenciando a síntese de proteínas que modulam a proliferaç ão das células prostáticas.

  • zona periférica,
  • zona transicional,
  • zona central
  • estroma fibromuscular anterior.

O estroma representa 30% da próstata e contém fibroblastos e células musculares com atividades contráteis, que ajudam a eliminar as secreções prostáticas para a uretra durante a ejaculação.